Publicado em

10 dicas sobre como usar cortinas

Raramente encontramos uma casa sem cortinas, e não é raro também, termos muitas dúvidas em relação ao uso adequado dos vários tipos que encontramos nas lojas: Curta ou longa? Clara ou escura? Lisa ou estampada?

Esse assunto dá muito pano pra manga, e por isso, enumeramos 10 dicas pra você não errar na escolha.

Vamos lá:

1) O tamanho da cortina é realmente algo muito pessoal, porém na sala de estar ou jantar, o ideal é que você use uma cortina longa.  Só use uma cortina mais curta se houver algum móvel que impeça o caimento total da cortina. Na cozinha, use uma cortina mais curta por causa da gordura do ambiente e também por causa dos balcões e armários.

2) As cortinas longas devem ser usadas até o chão, isso garante um visual mais elegante e imponente, além disso, alonga o pé direito e dá sensação de amplitude ao local. Só fique atento a um detalhe: Evite usar mais do que 4cm de tecido arrastando no chão, pois pode acumular poeira e dificultar a circulação no local.

3) Meça bem a largura e a altura da sua janela antes de fazer a compra da sua cortina. O ideal é que haja uma folga de tecido de 20 cm para cada lado, para evitar que ele fique muito esticada e comprometa a beleza da cortina.

4) Qual a altura ideal para instalar o varão? Vai depender muito do tamanho do seu pé direito (Altura da sua parede). Se o pé direito for baixo, instale o varão o mais próximo possível do teto, para obter justamente uma sensação de amplitude maior. Se o pé direito for alto, acima de 2,70 m, instale o varão na metade do espaço entre a janela e o teto.

5) Falando em varão, ele deve ser um grande aliado na composição geral. Isso porque o acabamento dele pode comprometer a beleza da sua cortina. Imagina só uma cortina toda linda, com um tecido maravilhoso e uma varão branco de plástico? Ou um varão todo cromado numa decoração com estilo mais rústico? Não dá!

6) Se a intenção além de decorativa for também para bloquear a incidência de luz no ambiente, use mais de uma camada de tecido com as tão conhecidas cortinas black-out. Elas devem ficar por trás da cortina principal, e apesar das mais comuns serem feitas com um tecido mais grosso,  já encontramos no mercado opções com tecidos mais leves e bonitinhos. São ideais para serem usados nos quartos, melhorando até a qualidade do sono.

7) Muitas casas também possuem a salinha de TV, com home theater, então, para controlar a luminosidade, uma alternativa para as cortinas black-out são as de tecidos mais grossos, como sarja e veludo.

8) Qual o melhor tecido para cortinas? Na verdade vai depender do estilo da decoração do seu ambiente. Os mais usuais: Voil, renda, seda, linho, mas a sua escolha deve ser baseada também nos outros elementos presentes no cômodo. Não vai ficar legal uma cortina de seda, se por exemplo, se o seu estilo não for tão clássica.

9) Se não quer se comprometer muito com a decoração de todo o ambiente, prefira cores mais neutras de tecidos. Se quiser um ambiente mais personalizado, o ideal é fazer um composê de tecidos combinando os tecidos do sofá, almofadas, poltronas, tapetes, etc. Definida uma paleta de cores e estampas, fica mais fácil acertar sem muitos dramas ou desperdícios futuros.

10) Pode usar persiana e cortina na mesma janela? Essa é uma dúvida bastante frequente. A resposta é sim!!!! Você pode usar as persianas como um recurso para manter a privacidade, principalmente em apartamentos onde os prédios são próximos e o vizinho sempre tá lá dando aquela espiadinha. A cortina vai suavizar o aspecto “escritório” das persianas trazendo mais a função decorativa.

Gostou das dicas? Se tiver mais alguma dúvida, deixe o seu comentário que vamos respondendo tá?

Fonte:  blog A Casa Que a Minha Vó Queria , Por Ana Medeiros.

Publicado em

8 ideias para decorar com cortinas

Cortinas mantêm a privacidade, filtram a luz e  são essenciais para a decoração de qualquer ambiente.

E escolher a cortina certa para as janelas da casa pode ser mais complexo do que se pensa, pois, significa se atentar a aspectos como o estilo da decoração, o tamanho do espaço e a praticidade.

O primeiro passo é definir o que se almeja: trazer mais aconchego, cobrir parcial ou totalmente a luz natural, incrementar a decoração etc.

Podemos te dar algumas ideias, inspire-se!

Se além de privacidade você está em busca de um algo a mais em termos decorativos, as cortinas plissadas podem ser uma boa escolha. Em matéria de elegância este tipo de cortina dá um show. Estas, por exemplo, são de linho e tem dobra tripla, o que lhe garante imponência.

carrodemola cortina com bolsos

O quarto dos pequenos também não fica de fora. Olha só que ideia bacana: que tal cortinas com bolsos? Isso mesmo! Com certeza um coringa para ajudar na arrumação do quarto.

carrodemola cortina mescla

Para aqueles mais ousados(as) a dica seria mesclar cortinas com diferentes estampas. Um tanto inusitado, mas feito de forma correta pode ser uma bela proposta. Neste exemplo vemos uma cortina com estampa floral e outra com listras. Combinadas não dão a sensação de leveza e alegria ao ambiente? Experimente!

carrodemola cortina natural

Se você deseja criar uma atmosfera mais aconchegante as cortinas com tecidos naturais, são uma aposta certa. Nesta área, por exemplo, foi escolhida uma cortina de linho que combinada com a veneziana escura cria o ambiente ideal para passar a tarde jogando papo fora!

carrodemola cortina separar ambiente

Ainda falando sobre o quarto das crianças em se tratando de quarto compartilhado entre irmãos a cortina pode ser uma boa solução para dividir o ambiente e ter respeitada a intimidade de cada um. Sem brigas!

carrodemola cortina estor

Cortinas + estor para regular a quantidade de luz no ambiente. Uma boa combinação.

carrodemola cortina face dupla

De um lado listras, de outro corações, enjoou? Só trocar o lado e voilá. Com as cortinas dupla face fica fácil assim.

carrodemola dividir ambiente

Cortinas são uma alternativa barata para dividir ambientes, não exigem grandes reformas e trazem um charme a mais para o ambiente!

Fonte:  blog carrodemola.

Publicado em

Quer vender ou alugar sua casa ou apartamento? Então precisamos falar sobre Home Staging!

Home staging é uma técnica de design de interiores que busca tirar o máximo partido de uma casa com o objetivo de atrair futuros compradores e inquilinos. E pelo que se tem visto por aí, tudo leva a crer que o Home staging dá uma bela mãozinha ao mercado imobiliário, pois acaba sendo uma ferramenta a mais de marketing. Vamos conhecer um pouco mais sobre as origens e vantagens dessa prática?

Basicamente trata-se de um conceito americano que surgiu na década de 70, durante a grande crise imobiliária, como forma de fazer distinguir o produto (imóvel) dos demais concorrentes.

Consiste em valorizar o produto na ótica do comprador, tornando os espaços mais agradáveis, luminosos , espaçosos e funcionais, ajudando desta forma os proprietários a rentabilizar os seus imóveis maximizando o seu potencial comercial, através de diversas técnicas de design de interiores.

Criar ambientes convidativos e sedutores, despersonalizar o espaço, reorganizar o mobiliário, maximizar a percepção do espaço através da luz e paleta de cores são algumas das técnicas utilizadas para acelerar o processo de venda ou aluguel de suas propriedades (casas, apartamentos, lofts, etc).

A ideia é fazer uma bela arrumação na casa, para assim torná-la mais atrativa, inclusive pode ser um fator para dar uma aumentada no preço do imóvel. Como? Aplicando estes princípios:

1. Iluminar bem.

A iluminação de uma casa é sempre fundamental. Se há luz natural, deve-se aproveitar ao máximo e incentivar que as visitas à habitação sejam quando a casa esteja melhor iluminada. As fotos da casa, obviamente, devem ser feitas também se valendo muito da luz natural.

Se há falta de luz natural deve-se iluminar artificialmente com uma disposição de luz ambiente e pontual que ressalte os pontos fortes da construção.

2. Usar cores claras

Os tons claros e luminosos são os que necessitam uma casa que se vai vender, porque não sabemos quais são as cores preferidas do possível comprador, sendo assim, melhor apostar em cores neutras que inclusive deem um “plus” à iluminação.

Caso a habitação não disponha de muita luz natural, o bom e velho branco pode ser a solução para dar amplitude visual e deixar os ambientes mais claros. Além do mais, o branco também dará a sensação de limpeza e higiene ao local, um ponto essencial na decisão do novo comprador.

3. Limpar e perfumar

A casa deve estar limpíssima. Parece algo banal, mas acredite; quem tem experiência no mercado imobiliário não se surpreende nem um pouco com essa recomendação.

A ideia é fazer com que o possível comprador ao entrar porta adentro sinta que poderia mudar-se no dia seguinte para o local. E não esqueça de fazer todos os reparos que devam ser feitos na casa para que o comprador sinta que está comprando qualidade.

4. Ordenar e distribuir o espaço

Se a casa for vendida com mobiliário, esse deve estar distribuído de forma estratégica para dar maior amplitude aos ambientes.

Não se doa por ter de se livrar de móveis muito velhos, a não ser que sejam móveis nobres, com uma história, se nem você iria querê-los, provavelmente o novo comprador também não os quererá em casa.

Porque na hora de distribuir os móveis em casa também deve-se aproveitar para ordenar tudo o que há no ambiente e que ficará no imóvel após a venda. O tipo de móvel ideal é o baixo e de linhas retas, porque ajuda a dar sensação de amplitude a espaços pequenos.

Uma dica: se a casa ou apartamento, estiver vazio, uma opção seria mobiliá-los com móveis de papelão para que o comprador tenha uma real dimensão das possibilidades da habitação.

5. Despersonalize

Não deixe objetos pessoais na casa, que para você pode ser que sejam o máximo e que talvez para o comprador não sejam tão empolgantes. Nada de quadros pintados por você ou por algum familiar, nem esculturas trazidas de alguma viagem exótica ou aquele móvel de gosto duvidoso da vovó, por exemplo.

6. Crie uma atmosfera de casa modelo

Embora pareça uma contradição em relação ao ponto anterior, acredite, não é. Uma vez que você tenha despersonalizado a casa ou apartamento é hora de começar a construir o ambiente, porém como um lugar que qualquer um que visite o local adore, sinta-se seduzido(a).

Uns detalhes estratégicos aqui, outros ali, criar ambientes acolhedores, aconchegantes… Lembre-se as primeiras impressões são fundamentais neste tipo de negócio. A possibilidade de vender ou alugar a casa é potencializada pela sua valorização.

homestaging 01

A sala ganhou sensação de amplitude e ficou mais iluminado depois que as técnicas de Home Staging foram aplicadas ao espaço.

homestaging 03

Nem parece o mesmo ambiente, não é verdade?

homestaging 02

Com a repaginada o ambiente ganhou em claridade, estilo e amplitude. Mais um ponto para o Home Staging!

Com o mercado imobiliário mais difícil, é primordial que o imóvel esteja em boas condições e preparado para ser vendido, por isso uma boa ajudinha da decoração e de um profissional stager ou um corretor que saiba aplicar as técnicas do Home Staging, pode ajudar a acelerar o processo.

Fonte:  blog carrodemola.